STJ MANTÉM DECISÃO QUE RECONHECE IMPROBIDADE EM CONDUTA DA EX-PREFEITA WILMA DE FARIA

 
Depois de muita delonga, o processo entrou em pauta hoje (24) e a Primeira Seção do STJ manteve decisão que reconheceu conduta de improbidade pela ex-prefeita Wilma de Faria, por utilizar procuradores municipais para fazer sua defesa perante a Justiça Eleitoral, quando ainda prefeita de Natal. Em 2010, a Segunda Turma do STJ reformou acórdão do Tribunal de Justiça do RN, que desconsiderou a prática de improbidade. Os ministros entenderam que houve improbidade diante do “interesse pessoal” para “preservar sua elegibilidade”. Mas, não reconheceram improbidade na conduta dos procuradores municipais. A defesa de Wilma, agora a cargo do advogado Érick Pereira, argumentou que houve divergência de entendimento entre a Segunda e a Primeira Turma do STJ no item ‘improbidade’. Levou à voz que a Primeira Turma considerou “demonstração de má-fé do gestor público essencial à configuração do ato de improbidade administrativa, e isso não teria sido levado em conta no julgamento do caso de Wilma pela Segunda Turma”. A Primeira Seção, composta pelos ministros das duas Turmas, disse que “a defesa não demonstrou a semelhança de situações entre os processos nos quais teria se manifestado a divergência. Com isso, ficou mantida a decisão da Segunda Turma”. Assim, o relator dos embargos de divergência, o ministro Benedito Gonçalves, declarou que, além de não haver semelhança entre as situações tratadas nos processos, também não há divergência de teses jurídicas entre as decisões comparadas. A ação foi movida pelo Ministério Público do Estado alegando que a então prefeita, quando candidata à reeleição, teria usado procuradores municipais para justificar um contrato celebrado entre o município e a empresa MCS Consultoria Vida Ltda., para prestação de serviços na área de saúde. O processo voltará à ao TJ para “aplicar as penalidades que considerar cabíveis”.

Fonte: Tribuna do Norte

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *